28.9.16

Noite


No declive da altura
poço de lumes.
Entre folhas
perpassa um voo.
(Noite e alma
toque levíssimo
de palmas.)
Uma estrela cavalga a escuridão.
.
- Dora Ferreira da Silva, em "Jardins (esconderijos)". São Paulo: Edição da autora, 1979.



© Silena Lambertini

Eu vim para amar e, secretamente, para dançar.

A língua especial dos amantes


Qual é a frase para a lua? E a frase para o amor? Que nome daremos à morte? Não sei. Preciso da língua especial dos amantes, dos monossílabos que usam as crianças.... Precisamos de um grito, um grito.

Virgínia Woolf, "As ondas"





Poto: Últimos dias, por Nieves Mingueza









La pazza gioia -Senza Fine-





- « Non m'importa della luna
Non m'importa delle stelle
Tu per me sei luna e stelle
Tu per me sei sole e cielo
Tu per me sei tutto quanto
Tutto quanto io voglio avere »

[ Gino Paoli - Senza Fine]



- " não quero saber da lua
Não me importo das estrelas
Tu para mim és lua e estrelas
Tu para mim és sol e céu
Tu para mim és tudo
Tudo o que eu quero ter "

[Gino Paoli - sem fim]

Vashti Bunyan - 2005 Lookaftering

Sobre a raiva

"Que era: que a gente carece de fingir às vezes que raiva tem, mas raiva mesmo nunca se deve de tolerar de ter. Porque, quando se curte raiva de alguém, é a mesma coisa que se autorizar que essa própria pessoa passe durante o tempo governando a ideia e o sentir da gente; o que isso era falta de soberania, e farta bobice, e fato é." 
.
- João Guimarães Rosa, em Grande Sertão: Veredas.



Georges Bataille


é amargo ser imenso

Não há nada que eu não sonhe
Nada que eu não grite

Sombra de asas sobre um campo
O meu coração de criança perdida

Georges Bataille, por A. Arcangélico


Ph Pedro Luis Raota


Provocações - Monja Coen




Publicado em 13 de abr de 2016
Monja Coen vem ao Provocações falar sobre sua infância, casamentos, sua
estadia em Londres, sua antiga vida de sexo, drogas e rock' roll e o caminho
que a levou a ser a primeira mulher budista .

Com o coração na mão

" É sempre melhor que a gente fale cara a cara, com o coração na mão. Caso contrário acabam surgindo mal-entendidos. E os mal-entendidos, sabe?, são uma fonte de infelicidade..."
Haruki Murakami



("Siempre es mejor que la gente hable cara a cara, con el corazón en la mano. De lo contrario acaban surgiendo malentendidos. Y los malentendidos, ¿Sabe?, son una fuente de infelicidad...")



Leonard Cohen - In My Secret Life





Em Minha Vida Secreta

Eu vi você esta manhã
Você estava se movendo tão rápido
Parece que não pode soltar meu aperto
No passado
E sinto tanto sua falta
Não há ninguém em vista
E nós ainda estamos fazendo amor
Em minha vida secreta...

Sorrio quando estou com raiva
Engano e minto
Faço o que tenho que fazer
Para conseguir.
Mas sei o que é errado
E sei o que é certo
Eu morreria pela verdade
Em minha vida secreta...

Segure-se, segure-se, meu irmão
Minha irmã, segure firme
Finalmente acatei minhas ordens
Estarei marchando através da manhã
Marchando através da noite
Atravessando as bordas
De minha vida secreta...

Olhar através do papel
Fez você querer chorar
Ninguém se importa se pessoas
Morrem ou vivem
E o traficante quer você pensando
Que isto é preto ou branco
Obrigado Deus, isto não é tão simples
Em minha vida secreta...

Mordi meus lábios
Compro o que eu disse:
Desde o último acerto
Até a sabedoria da idade
Mas estou sempre sozinho
E meu coração é como gelo
É lotado e frio
Em minha vida secreta..

William Stafford

William Stafford (1914-1993), nascido no Kansas, foi um pacifista convicto, recusando-se a lutar na Segunda Guerra. Obrigado a prestar serviço interno, foi guarda florestal entre 1942 e 1946, atividade que o marcaria por toda a vida. Seus poemas, de grande apuro técnico, são intensamente líricos e com frequência inspirados na natureza, numa linhagem da qual, na poesia norte-americana, fizeram parte, por exemplo, Ralph Waldo Emerson, Robert Frost e Robinson Jeffers[1]. Stafford publicou dezenas de livros, ganhou o National Book Award for Poetry em 1963 e foi Poeta Laureado de 1970.



Tradução e seleção: André Caramuru Aubert

Deixando que você se vá
O dia traz o que deve mesmo ser. Árvores —
onde quer que estejam — começam a se impor,
Eu tenho uma travessia para fazer hoje
ir em frente por esta terra sombria.
Quão imóvel a Terra ficou a princípio, naquela noite
quando você não mais respirou. Eu não podia crer
quão delicadamente a luz da lua chegou. Foi como
em outro tempo junto ao túmulo de minha mãe.
Hoje eu vou em frente. Em tempos passados
quando você estava lá, eu tentei,
então, agarrar a lua e o sol.
Agora quando me perguntam quem era você —
Eu me lembro, mas me lembro da minha promessa.
E digo: “Ninguém”.
.
A menininha junto à cerca na escola
A grama em movimento encontrava todos os tons de marrom,
movia-os juntos, levando embora o outono
galopando rumo ao sul para onde fugiu o verão.
E aquela foi a manhã em que o coração de alguém parou
e ficou em repouso. Uma menina disse, “Para sempre?”
E a grama: “Sim. Para sempre”. Enquanto o céu —
O céu — o céu — o céu.


Por entre os juníperos
À tarde eu vago por entre os
juníperos. Eles se espalham por colinas
que se abrem e fecham à minha volta.
Se eu vou longe o bastante, toda visão ou som
de gente desaparece. Me sento e olho, milhas sem fim
para aquelas colinas onduladas.
E então mais tarde, entre frases, quando alguém
me faz perguntas que confundem a verdade,
minhas respostas vagueiam e olham para trás.
Há estes dias e há estas colinas
sobre os quais ninguém pensa, mesmo no verão.
E parte da minha vida nem mesmo tem um lar.


Você é o senhor William Stafford?
28 de agosto
“Você é o senhor William Stafford?”
“Sim, mas…”
Bem, foi ontem.
A luz do sol seguia a minha mão.
E foi então que um som estranho como uma sirene transbordou
no horizonte e avançou pelas ruas de nossa cidade.
Foi quando a luz do sol vinha por detrás
de uma rocha e começou a seguir a minha mão.
“É melhor assim”, disse minha mãe — “Nada de ruim
pode acontecer com quem é bom de verdade.”
E então mais tarde o sol se pôs e o som
se dissipou e se foi. Ao longo das ruas cada
casa esperou, branca, azul, cinza; árvores
ainda tentavam se arquear tanto quanto pudessem.
Você não pode prever quando coisas estranhas significando algo
ocorrerão. Eu [ainda] estou aqui escrevendo sobre isso
exatamente como tudo se deu. “Você não tem que
provar nada,” minha mãe disse. “Apenas esteja pronto
para o que Deus enviar.” Eu ouvi e pus minha mão
sob o sol de novo. Foi bastante fácil.
Bem, isso foi ontem. E o sol veio,
Por que
ele veio.


A queimada do Tillamook
Estas montanhas ouviram Deus;
arderam por semanas. Ele falou
numa língua de chamas que vieram do entulho das serrarias
e você pode ler Sua palavra até nas pedras.
Em rios leitosos as trutas-arco-íris
se batem correnteza acima para desovar
e encontram novamente um mundo com profundidade,
que nasce na quietude e na água entre rochas cinza.
Terra adentro ao longo dos cânions
por toda a noite o clima fumando
passando por cervos e por fazedores de viúvas—
árvores por demais mortas para cair até que de novo Ele fale,
Serrando as árvores em ziguezague e os picos que ouvem.


Nossa história
Me lembre novamente — juntos nós
traçamos nossa estranha jornada, encontramos
um ao outro, lá chegamos rindo.
Um dia nós cruzaremos o ponto onde a vida
termina. Nós dois olharemos para trás
tão longe quanto para sempre, aquele primeiro dia.
Eu tocarei você — um novo mundo então.
Estrelas se moverão de uma maneira diferente.
Nós dois no fim. Nós dois no começo.
Me lembre novamente.


Natimorto
Onde um rio toca uma ilha
sob salgueiros que se curvam
eu observo as ondas e penso em você,
que quase viveu.
Estrelas varrerão o céu novamente,
e o tempo seguirá, a escuridão, o frio.
Nuvens correrão quando o vento começar,
onde você quase viveu
Mas enquanto o trovão chacoalha o mundo
e a graciosa dança e a poderosa vitória,
ainda crente, ainda pensando, eu me curvo,
pequeno.



Chico - Artista Brasileiro | Trailer Oficial | 26 de Novembro nos cinemas

Time Travel (Pakistan)

Os Capacetes Brancos - Resgate na Síria.





O lema de Capacetes Brancos é: "Salvar uma vida é salvar toda a humanidade." 
Assista ao documentário.


http://radiocomercial.iol.pt/noticias/63101/capacetes-brancos-da-siria-nomeados-para-nobel-da-paz

Instruções para dar corda ao relógio_Julio Cortázar.wmv