23.5.17

Mahsa Vahdat - Zolf Bar Baad (Wind In Tresses)






* Zolf Bar Baad (Vento em Tresses)

"Não deixe o vento em suas tranças
Ou eu vou torcer no vento
Não deixe a sedução ser seu caminho ou eu vou perder o meu caminho
Não pinte a cidade vermelha ou eu vou me levar para as montanhas
Não mostre nenhum calor como Shirin
Ou eu ficarei frio como Farhad
Não deixe ninguém ver seus fechamentos ou eu serei travado no remorso
 Não torça o seu cabelo ou eu começo a ser torcido
Não marque a ribalta ou você queimará minha visão
Não perca a companhia dos outros ou será perdida por mim .. "

Maio está no fim, abre-se sobre a mesa 
inunda a imagem.
Repousa a noite nos teus olhos.
É sobre a noite e uma flor inacabável que eles me falam, 
os teus olhos.

Maio está no fim.
(mariagomes)
Maria Gomes

Emil Nolde - Schwertlilien, Dahlien und Mohn auf dunkelblauem Grund, 1920's, watercolour on japan paper

Calvin e Haroldo


O último quadrinho de Calvin e Haroldo

calvin-e-haroldo-final




https://livreopiniao.com/2014/02/20/o-ultimo-quadrinho-de-calvin-e-haroldo/

Primeira confissão


O letrado sacerdote perguntou se eu havia pecado em pensamentos, palavras ou atos. E, na pequena vida dos nove anos, não entendi a pergunta, não soube responder, desatenta que fui, às aulas santas do catecismo. Pagará penitência, minha filha, disse ele. Como pagar a penitência? O que era mesmo penitência?


Devo até hoje.

tucakors
22.05.2017






— O importante é a lembrança dos erros, que nos permite não cometer sempre os mesmos. O verdadeiro tesouro do homem é o tesouro dos seus erros, a larga experiência vital decantada por milênios, gota a gota. Contrariamente ao que creem os chorões, todo o erro é uma propriedade que acresce o nosso haver. Em vez de chorar sobre ele, convém apressar-se em aproveitá-lo. Muitos homens, como as crianças, querem uma coisa, mas não as suas consequências.
Ortega y Gasset (1883-1955), filósofo e ativista político espanhol.

© Dina Oganova


"A fantasia, minha agora, nesta conversa – o senhor me atalhe. Se não, o senhor me diga: preto é preto? branco é branco? Ou: quando é que a velhice começa, surgindo de dentro da mocidade." 
.
- João Guimarães Rosa, em Grande Sertão: Veredas.

Kaleo - "I Can't Go On Without You" LIVE

Mario Venuti - Caduto dalle stelle (Video Ufficiale)





Só preciso me distrair. A distração. A maior invenção do ser humano para continuar a seguir em frente. Para fingir ser o que não somos. Adaptados ao mundo. 
Paolo Sorrentino


"Eu sonho. Às vezes eu acho que é a única coisa certa a fazer. "(Haruki Murakami, Sputnik Sweetheart)



Karl Schmidt-Rottluff, Die weißen Blumen, 1968. Watercolor and india ink drawing
Esperança?
Aquele desejo de algo que não tens, esse tempo inexistente, essa falácia de que se quiseres podes, essa ofensa ao momento presente,
......... essa grande mentira de acreditar sem ver...


Hiroshi Sugimoto
Você deve ser mais cuidadosa
Quando você se move, minha querida,
algo de você

Derrama luar
Em meu poema, com um mero
Movimento de sua mão. "
- Sanober Khan, Mil Flamingos


Esqueceu a sua casa



Meus sentimentos são altos demais para palavras
E muito tímidos para o mundo.

Leia a luz e tenha um sonho
Em seu jardim escondido.

Não há necessidade de palavras.

As palavras são apenas sombras
Das histórias nunca ditas,
Brilhando de reinos distantes,
Lembrando uma casa esquecida.

Os raios de luz dir-lhe-ão a história.

Há outro alfabeto
Sussurrando em cada folha,
Cantando em cada rio,
Cintilante de cada céu.

___Dejan Stojanovic

Ph. Jimmy Lu

Beijo os teus seios e a tarde comove-se
como se tocassem sinos.
.
Levanto a tua cabeça entre os meus dedos
e abro contra o dia os teus cabelos
e, logo, as aves do silêncio levantam voo e dançam
loucas em volta dos teus olhos,
e a tua boca aperta-se,
morde
a minha boca
enquanto as minhas mãos vão percorrendo
nenhum deus à flor da tua pele
por esse caminho branco onde agonizam éguas
vestidas de primavera.


JOAQUIM PESSOA, in O POETA ENAMORADO |Os Poemas de Amor| (Edições Esgotadas, 2015)

© Brett Walker

Carly Simon - Nobody Does It Better - The Spy Who Loved Me

Paul Kalkbrenner - Azure



RETICÊNCIAS

Arrumar a vida, pôr prateleiras na vontade e na acção.
Quero fazer isto agora, como sempre quis, com o mesmo resultado;
Mas que bom ter o propósito claro, firme só na clareza, de fazer qualquer coisa!

Vou fazer as malas para o Definitivo,
Organizar Álvaro de Campos,
E amanhã ficar na mesma coisa que antes de ontem — um antes de ontem que é sempre...
Sorrio do conhecimento antecipado da coisa-nenhuma que serei.
Sorrio ao menos; sempre é alguma coisa o sorrir...
Produtos românticos, nós todos...
E se não fôssemos produtos românticos, se calhar não seríamos nada.
Assim se faz a literatura...
Santos Deuses, assim até se faz a vida!

Os outros também são românticos,
Os outros também não realizam nada, e são ricos e pobres,
Os outros também levam a vida a olhar para as malas a arrumar,
Os outros também dormem ao lado dos papéis meio compostos,
Os outros também são eu.
Vendedeira da rua cantando o teu pregão como um hino inconsciente, Rodinha dentada na relojoaria da economia política,
Mãe, presente ou futura, de mortos no descascar dos Impérios,
A tua voz chega-me como uma chamada a parte nenhuma, como o silêncio da vida...
Olho dos papéis que estou pensando em arrumar para a janela por onde não vi a vendedeira que ouvi por ela,
E o meu sorriso, que ainda não acabara, inclui uma crítica metafísica.
Descri de todos os deuses diante de uma secretária por arrumar,
Fitei de frente todos os destinos pela distracção de ouvir apregoando,
E o meu cansaço é um barco velho que apodrece na praia deserta,
E com esta imagem de qualquer outro poeta fecho a secretária e o poema...
Como um deus, não arrumei nem uma coisa nem outra...


ÁLVARO DE CAMPOS (FERNANDO PESSOA), in POESIAS DE ÁLVARO DE CAMPOS (Ática, 1944/1993)







Lápis sobre papel: Desk, de Morka Mold

ENTRE MIM E TI




Neste leito consumido de nadas
a juventude dos teus dedos percorre
este corpo envelhecido pelo tempo
onde renascem novas formas de sentir
.
Neste leito gasto de palavras soltas
o teu corpo é uma enorme descoberta
e o teu perfume um rio sem margens
.
Neste leito vestido de gestos perdidos
dois corpos se abraçam sorrindo
entre gemidos de silêncio cúmplice
.
Entre mim e ti
não há tempo nem distância


ANTÓNIO SEM, in ANALOGIAS (Universitária Editora, 2003)

Art. Pascal Chôve

Paul Kalkbrenner - Gutes Nitzwerk

Na verdade eu acho que nosso contato com o sobrenatural deve ser feito em silêncio e numa profunda meditação solitária. A inspiração, em todas as formas de arte, tem um toque de magia porque a criação é uma coisa absolutamente inexplicável. Ninguém sabe nada a propósito dela. Não creio que a inspiração venha de fora para dentro, de forças sobrenaturais. Suponho que ela emerge do mais profundo "eu" de uma pessoa, do mais profundo inconsciente individual, coletivo e cósmico. Mas também é verdade que tudo o que tem vida e é chamado por nós de "natural" é na verdade tão inexplicável como se fosse sobrenatural...
- Clarice Lispector,in "Texto de Clarice Lispector para o Primeiro Congresso Mundial de Bruxaria, realizado em Bogotá entre 24 e 28 de agosto de 1975" / Lori Vrba -




Na roça


Ela se cansava de matar as cobras que apareciam dentro de casa. Até em uma botina, a coral tentou se instalar. Atrás do guarda-roupa, uma cascavel aninhou seus filhotes. Então, ganhou a medalhinha de São Bento e pregou no alto da porta da casa. Nunca mais veneno algum circulou pela casa.
Tuca
21.05.2016

copperhead , Kansas.

22.5.17

Kontra K - Erfolg ist kein Glück (Offizielles Video)

Não há coincidências mas destinos. Não se encontra, mas sim o que se procura, e procura-se o que de certa forma está escondido no mais profundo e escuro do nosso coração.

Sobre heróis e túmulos, Ernesto Sábato



POEMA DE AMOR: CARTA (ESBOÇO)

Lembro-me agora que tenho de marcar um
encontro contigo, num sítio em que ambos
nos possamos falar, de facto, sem que nenhuma
das ocorrências da vida venha
interferir no que temos para nos dizer. Muitas
vezes me lembrei de que esse sítio podia
ser, até, um lugar sem nada de especial,
como um canto de café, em frente de um espelho
que poderia servir de pretexto
para reflectir a alma, a impressão da tarde,
o último estertor do dia antes de nos despedirmos,
quando é preciso encontrar uma fórmula que
disfarce o que, afinal, não conseguimos dizer. É
que o amor nem sempre é uma palavra de uso,
aquela que permite a passagem à comunicação;
mais exacta de dois seres, a não ser que nos fale,
de súbito, o sentido da despedida, e que cada um de nós
leve, consigo, o outro, deixando atrás de si o próprio
ser, como se uma troca de almas fosse possível
neste mundo. Então, é natural que voltes atrás e
me peças: «Vem comigo!», e devo dizer-te que muitas
vezes pensei em fazer isso mesmo, mas era tarde,
isto é, a porta tinha-se fechado até outro
dia, que é aquele que acaba por nunca chegar, e então
as palavras caem no vazio, como se nunca tivessem
sido pensadas. No entanto, ao escrever-te para marcar
um encontro contigo, sei que é irremediável o que temos
para dizer um ao outro: a confissão mais exacta, que
é também a mais absurda, de um sentimento; e, por
trás disso, a certeza de que o mundo há-de ser outro no dia
seguinte, como se o amor, de facto, pudesse mudar as cores
do céu, do mar, da terra, e do próprio dia em que nos vamos
encontrar, que há-de ser um dia azul, de verão, em que
o vento poderá soprar do norte, como se fosse daí
que viessem, nesta altura, as coisas mais precisas,
que são as nossas: o verde das folhas e o amarelo
das pétalas, o vermelho do sol e o branco dos muros.


NUNO JÚDICE, in POESIA REUNIDA (D. Quixote, 2000)



© Harold Feinstein  My Mother’s Curtains, Brooklyn, NY, 1946

Blue Moon Marquee - Ain't No Stranger

"Ele explicava as coisas quase como se as tivesse descobrindo na mesma hora. Talvez ele estivesse de certo modo olhando para o mundo do ponto de vista de uma criança.
Ele nunca falava e um  modo rude, nunca disse: "Saia já de cima dessa cerca", "Cuidado com essa lama". Ele preferia deixar a natureza seguir seu curso para que eu aprendesse desse jeito. A liberdade de ação inspirava certa cautela. Não havia nenhuma comiseração indevida quando alguém se machucava.
Fazíamos lentas e tranquilas caminhadas porque ele não conseguia ir muito depressa. Coletávamos pedras com fósseis de estranhas criaturas de outra Era, pois este era um campo com cascalho no qual essas pedras podiam ser encontradas. Cada um de nós tinha uma coleção. Herdei a dele quando ele morreu e mantive ambos os conjuntos por muitos anos. Era um laço com ele do qual hesitei muito me separar."
 - Alice Munro, trecho de "A vista de Castle Rock", tradução de Cid Knippel


http://cultura.estadao.com.br/noticias/literatura,em-duas-obras-alice-munro-busca-compreender-a-familia-e-a-si-mesma,1527337





NA RUA


O homem exibia o cartaz
como um anúncio,
dizendo:

''Ajudem-me".

Na cabeça de todos os
que por ele passavam,
havia
um invisível cartaz pedindo
a mesma coisa.

JOAQUIM PESSOA, in OS DIAS NÃO ANDAM SATISFEITOS (Edições Esgotadas, 2017)






Fotografia: Richard Gere no filme Time Out of Mind
Oh sim, foram dias infelizes, os mais felizes da minha vida.
Gesualdo Bufalino


Alexei Jawlensky

INTEMPÉRIE

corre à boca pequena certo boato
um zunzunzum um sopro um vento
que escondo um sentimento canhoto – natimorto
diz que estou às boas com mais uma paixão carcomida
e este sentimento cheio de nós pelas costas
escondo no silêncio escandaloso – pote de poemas
e que a finada razão ria às minas custas
como resposta abotôo meu sobretudo
e me encosto num dos oitões da casa
endereço do frio porta sem número – nevermore
boulevard com casuarinas que choram ao vento à sobreposse
contra a minha vontade a ventania põe ciscos
nos olhos que fitam os umbrais de Edgar allan poe

Sergio Blank

Henry Domke - Blue Pleurodonte



Kovacs - Diggin (Official Lyric Video)

Se tantas vezes te importuno, ó Deus meu vizinho,batendo forte à tua porta na noite extensa,é porque te ouço respirar, da tua presençasei: estás na sala, sozinho.Se de algo precisares, não há ninguém alique possa te trazer um gole d’água sequer.Vivo sempre à escuta. Dá-me um sinal qualquer.Estou bem perto de ti. […]

Rainer Maria Rilke

© Antonio Gouveia Photography
Se você cansar, aprenda a descansar, não a desistir......
(Desconheço a autoria da frase)


21.5.17

Nanette Scriba - Anständiges Sonett

NOITE DO SUOR



Mesa de trabalho, desalinho, livros, o abajur de pé,
coisas comuns, meu equipamento parado, a velha vassoura,
mas vivo num quarto arrumado,
há dez noites tenho sentido cãibras
formigando todo o branco manchado de meu pijama...
Um sal adocicado me perfuma e minha cabeça está molhada,
todo o mundo flutua e me diz que tudo vai bem;
o calor de minha vida encharca-se do suor da noite ─
uma vida, uma obra! Mas a descida vertiginosa
e o egoísmo da existência nos secam completamente ─
dentro de mim há sempre a criança que morreu,
dentro de mim há sempre o seu desejo de morrer ─
um universo, um corpo... nesta urna
a noite animalesca sua toda a ferida da alma.
Atrás de mim! Você! Sinto outra vez a luz
iluminar minhas pálpebras de chumbo,
enquanto os cavalos de cabeça cinza relincham
à procura da fuligem da noite.
Encharcado chapinho-me nos salpicos do dia,
um monte de roupa molhada, amargurado, trêmulo,
vejo minha carne e lençóis banhados de luz,
meu filho se explodindo em dinamite,
minha mulher... sua leveza muda o mundo,
e rompe o filamento de teia preta que vem dos palpos da aranha,
enquanto seu coração palpita e se agita como se fosse o de uma lebre.
Pobre tartaruga, tartaruga, se não posso purificar
aqui a superfície destas águas conturbadas,
absolve-me, ajuda-me, fortificando-me,

enquanto você suporta nas costas a alternação e o peso morto do mundo.

Robert Lowell

* Tradução de Ary Gonzalez Galvão


GALANTEIO


Afinal, não há precisão 
de dizer nada 

inicialmente. Uma laranja, descascadas 
feito gomos, cintila 

como uma tulipa na gravura de um vaso 
Nada pode acontecer. 

Fora do sol 
ela enrolou suas mantas 

e a noite espalhou sal 
por todo o céu. Meu coração 

está sussurrando uma cantiga 
que eu tenho ouvido por anos! 

A calma é o frescor da polpa — 
vamos aspirá-la e consumi-la. 

Há maneiras 
de fazer do momento 

um jardim adornado 
de tal modo que o prazer 

por ele passeia. 
RITA DOVE

Tradução de Dalcin Lima

Caroline Wright  - Night Lights (2010)

Regresso sempre a ti, sempre que te penso
regresso ao lugar dos abraços inocentes
regresso ao calor das tardes de verão
e se por acaso não te encontrar
haverei sempre de te ler no coração da poesia.
Regresso a ti,
como tu me regressas de cada vez que oiço a nossa canção
de cada vez que as andorinhas cantam novas melodias na
primavera.
Regresso a ti
e tu regressas-me no coração do poema
no silêncio das palavras que nunca fui capaz de te dizer.

São Gonçalves, in O SILENCIOSO CANTO DAS AVES MIGRATÓRIAS (Edita-me, 2016)

Artista-Afifa Aleiby

SUPERTRAMP with Roger Hodgson Goodbye Stranger 1979




https://youtu.be/2HwStWrALuA

Brassaï

 Untitled (Little Girl by Pablo Picasso, 1943), 1946

Andy Lovell

(British, b. 1964) - 3 dozen Red Roses,

Neste longo exercício de alma…


Ciência, amor, sabedoria,
– tudo jaz muito longe, sempre…
(Imensamente fora do nosso alcance!)
Desmancha-se o átomo,
domina-se a lágrima,
vence-se o abismo:
– cai-se, porém, logo de bruços e de olhos fechados,
e é-se um pequeno segredo
sobre um grande segredo.
Tristes ainda seremos por muito tempo,
embora de uma nobre tristeza,
nós, os que o sol e a lua
todos os dias encontram,
no espelho do silêncio refletidos,
neste longo exercício de alma.
– Cecília Meireles, no livro “Poesia completa”. Rio de Janeiro: Editora Nova Aguilar, 1993.



QUEM ÉS TU



 Quem és tu que assim vens pela noite adiante,
Pisando o luar branco dos caminhos,
Sob o rumor das folhas inspiradas?
.
A perfeição nasce do eco dos teus passos,
E a tua presença acorda a plenitude
A que as coisas tinham sido destinadas.
.
A história da noite é o gesto dos teus braços,
O ardor do vento a tua juventude,
E o teu andar é a beleza das estradas.


SOPHIA DE MELLO BREYNER ANDRESEN, in OBRA POÉTICA, (Caminho, 2010)


Kontra K - Diamanten (Official Video)

"Apesar de brincar que se tornou professor da língua mais inútil, a grega, Jacyntho considera fundamental a cultura antiga: 'Estudar poesia antiga é como fazer psicanálise da nossa cultura. De um lado, descobrir, nas convergências, muito das nossas motivações, imaginário e sentimentos. De outro, pela via do estranhamento, experimentar o contato com o outro. Os antigos nos permitem ver nosso tempo e nosso mundo com os olhos que nos emprestam, sua distância, no tempo e no espaço, nos proporcionando mais acuidade de visão.' "


“Descobri em Luciano uma literatura que me agrada muito, que é meio radical em considerar que, afinal de contas, as coisas humanas são essencialmente ridículas”.
Rodrigo Petronio

"Não estou certo de nada além da santidade das afeições do coração e da verdade da Imaginação".
- John Keats


"Uma flor sabe quando sua borboleta retornará,
E se a lua sair, o céu entenderá;
Mas agora doi, por ver você sair tão cedo,
Quando eu não sei se você voltará.
― Sanober Khan


Dan McCaw
- Só não basta viver - disse a borboleta -, é preciso ter sol, liberdade e uma pequena flor.
- Hans Christian Andersen, Os contos de fadas completos

(você é a minha pequena flor)


מאיר אריאל שדות גולדברג - ילדתי שלי


Sei que o amor
Não existe
E também sei
Que eu te amo.

- Dario Jaramillo Agudelo


Boa segunda-feira



Há muitos motivos válidos para aguentar.
Para fazer bem o que você é capaz.
Para resistir ao mal.
Para enganar a morte.
Para parar de sentir.
Para não dar a outra face.
Para ouvir boa música.
Para comer sem precedentes a quantidade de pizza.
Para se apaixonar.

- Guido Catalão


Kaleo - "I Can't Go On Without You" LIVE

- As palavras são um pretexto. É o vínculo interior que atrai uma pessoa para outra, não palavras. " Rumi

© Riccardo Pareggiani

Asaf Avidan - In a Box ll - Your Anchor



Ponho no forno
Um bolo de maçã
Calor e alegria
Nesta tarde.
Calorias, bem vês,
Moldam-me o corpo
São vestes,
São reversos
São afagos.
.
Acumulo-te em mim
Em quilos de farinha,
De açúcar, de ternura
De opressão
.
O que sei fica tão longe
Do que sinto
E a noite é tão profunda
Que me minto
A toda a hora
Em cada decisão.

ISABEL FRAGA, in A MÚSICA DAS ESPERAS (Lua de Marfim, 2013)


"Defesa da alegria"


Defender a alegria como uma trincheira
Defendê-la do escândalo e da rotina
Da miséria e dos miseráveis
Das ausências transitórias
E as definitivas
Defender a alegria como um princípio
Defendê-la do pasmo e dos pesadelos
Dos Neutrais e dos neutrões
Das doces infâmias
E os graves diagnósticos
Defender a alegria como uma bandeira
Defendê-la do raio e da melancolia
Dos Ingénuos e dos canalhas
Da retórica e as paragens cardíacas
Das Endemias e das academias
Defender a alegria como um destino
Defendê-la do fogo e dos bombeiros
Dos Suicidas e dos homicidas
Das Férias e do fardo
Da obrigação de estar alegres
Defender a alegria como uma certeza
Defendê-la do óxido e da sarna
Da famigerada patina do tempo
Do Mendibe e do oportunismo
Dos proxenetas do riso
Defender a alegria como um direito
Defendê-la de Deus e do inverno
Das maiúsculas e da morte
Dos apelidos e miséria
Do acaso
E também da alegria.
Mario Benedetti

Emil Nolde - Blooms, red, yellow, blue, 1950